Administração Central e Metrô da Linha 5 se unem no Dia do Bem-Fazer em ações voltadas a comunidades de São Paulo

31/08/2016

Ação do Dia do Bem Fazer São PauloAs ações promovidas na cidade de São Paulo durante a 8ª edição do Dia do Bem-Fazer, realizada em 28 de agosto, tiveram como direcionador um diagnóstico realizado pela Construtora Camargo Correa, através da ferramenta Geoportal, que detectou as comunidades mais vulneráveis socioambientalmente e suas principais demandas. Com base neste diagnóstico, estratégias e ações foram elaboradas para as seguintes áreas temáticas prioritárias, distribuídas em seis células: cultura; educação; formação profissional; saneamento e revitalização de espaço público; refugiados e imigrantes; e proteção da infância e adolescência.

O trabalho foi realizado por 228 voluntários, entre profissionais da Administração Central da Construtora Camargo Corrêa, seus familiares e membros das comunidades dentro das células de cultura, educação, formação profissional, refugiados/imigrantes e proteção da infância e adolescência; e também por 90 voluntários do Metrô da Linha 5 – Lilás, que focaram nas atividades voltadas a saneamento e revitalização de espaço público. Confira as ações que aconteceram em cada uma das células:


Cultura

Os moradores dos bairros de Jaraguá, Parelheiros, Rio Pequeno, Jardim Pantanal, Tucuruvi e Guaianases costumam ter difícil acesso à maior parte dos programas culturais oferecidos na cidade de São Paulo, mas voluntários conseguiram construir uma importante ponte ao levar 320 jovens ao Theatro Municipal para um tour histórico e apresentação da OER - Orquestra Experimental de Repertório.

Educação

Na Cidade Tiradentes, distrito de São Paulo, voluntários envolveram os jovens do Centro da Juventude na criação de uma horta comunitária. Crianças também participaram ajudando a confeccionar plaquinhas para a horta, com mensagens sobre o que ela representa para cada um deles.

Formação Profissional

Em Paraisópolis, um ponto que se mostra sensível é a inclusão no mercado de trabalho, por isso voluntários organizaram palestras sobre profissionalismo, além de oficinas sobre elaboração de currículos e entrevistas de trabalho.

Proteção da Infância e da Adolescência

Crianças e adolescentes têm sido expostos à exploração sexual em Jaguaré. Voluntários ajudaram a combater este problema com uma série de oficinas para os jovens do bairro. Elas abordaram sexualidade, exploração sexual, direitos da criança e do adolescente.

Refugiados e Imigrantes

O processo de imigração clandestino gera uma série de problemas sociais, inclusive a perda de cidadania. Por isso, voluntários atuaram na Paróquia Nossa Senhora da Paz - que acolhe refugiados e imigrantes - oferecendo oficinas que abordaram cidadania, lazer, legalização de documentos e troca de conhecimentos culinários e culturais. Além disso, os voluntários pintaram a ala masculina da Casa do Migrante, que faz parte do trabalho realizado pela Paróquia.

Saneamento e Revitalização de Espaço Público

As ações realizadas em Capão Redondo contaram com a união de forças de voluntários da Administração Central e da obra do Metrô da Linha 5 - Lilás. Eles organizaram oficinas para recuperar espaços de vivência e terrenos nas áreas de uso comunitário da Casa de Cultura e Educação São Luís, reformaram o playground e áreas lúdicas para as crianças e jovens, prepararam e construíram uma horta vertical e reformaram a instituição, instalando janelas, pias e pintando as paredes.

As ações potencializaram as iniciativas já existentes de diversas instituições nas localidades: Promove Inclusão Social, Centro Social Santo Dias, Associação Beneficente Vivenda da Criança, Casa dos Meninos I, Instituto Alana, Igreja Nossa Senhora da Paz, Espaço Urbano, Pró-Saber, Coletivo Dedo Verde, CCA Nossa Arte.