Etanolduto do Estado de São Paulo tem primeira fase concluída

Trecho compreende o duto que liga a Refinaria de Paulínia e o Terminal Terrestre de Ribeirão Preto
 
Com a liderança do consórcio construtor do sistema multimodal de logística de etanol, a Construtora Camargo Corrêa acaba de concluir as obras da primeira fase do Etanolduto no Estado de São Paulo.
 
O trecho compreende o duto que liga a Refinaria de Paulínia e o Terminal Terrestre de Ribeirão Preto (TTRP) e ainda as interligações no sistema de tancagem (armazenamento) de Paulínia e o próprio TTRP, que entrou em operação assistida nesta quarta-feira, dia 24. Já a operação comercial do trecho está prevista para o dia 27 de maio.
 
O duto concluído tem 207 quilômetros de extensão com 24 polegadas de diâmetro. Já o terminal tem capacidade para 50 mil litros de armazenagem de etanol e é composto por 18 baias de descarregamento, subestação, sistemas de bombeamento e incêndio, além de pacotes de instrumentação e automação.
 
Entre gerência, coordenação, supervisão e área técnica, 45 líderes da construtora atuaram no trecho, que teve 2100 profissionais no pico da obra. "É a coroação de um marco importante para todos os envolvidos: cliente, acionistas e todas as empresas parceiras. Chegamos ao final desta primeira etapa com o projeto entregue dentro do prazo e do custo previsto, agregando assim, ainda mais confiabilidade nos âmbitos operacional, gerencial e corporativo", afirma Claudio Fragoso de Noronha Pereira, gerente de Projeto do Consórcio Etanol.
 
Segundo Paulo Augusto Santos da Silva, diretor Operacional de Óleo e Gás da Construtora Camargo Corrêa, esse sistema contribuirá para o desenvolvimento do Brasil, pois trará a redução no custo do modal rodoviário entre a usina e a base distribuidora. Paulo Augusto ressalta que essa é uma mudança no cenário nacional. "Considerando uma visão mais abrangente, participamos como investidor e construtor do novo sistema logístico que possibilitará competitividade para o setor bioenergético, modificando a maneira de comercialização do etanol", explica.
 
O Etanolduto irá atender aos principais centros de produção e consumo do país. Quando concluído em 2016, o empreendimento transportará etanol por 1300 quilômetros de dutos, localizados nos Estados de Minas Gerais, São Paulo, Goiás e Mato Grosso.
 
Conheça outras obras dutoviárias da Construtora Camargo Corrêa
 
Com 661 quilômetros e capacidade de transporte de 4,1 milhões de metros cúbicos por dia, o Gasoduto Urucu-Coari-Manaus, que entrou em operação em 2009, atende às cidades de Coari, Codojás, Anori, Anamã, Caapiranga, Manacapuru e Iranduba, além de possuir dois ramais para as usinas de Aparecida e Mauá, em Manaus.
 
Em funcionamento desde 2010, o Gasoduto Bolívia-Brasil (Gasbol) tem início na cidade boliviana de Santa Cruz de La Sierra e término na cidade gaúcha de Canoas, com extensão de mais de três mil quilômetros. Só no Brasil, são 2.593 quilômetros de dutos que passam por cerca de quatro mil propriedades em cinco Estados.
 
Já o Mineroduto Minas-Rio, com 525 quilômetros, atravessa 32 municípios mineiros e fluminenses. Quando entrar em operação, deverá transportar 26,5 milhões toneladas anuais de minério de ferro.
 
 

26/04/2013
Compartilhar